Como ter mais agilidade no primeiro emplacamento dos veículos

O emplacamento dos veículos é uma das principais — e imediatas — etapas após a aquisição de um automóvel. Independentemente do seu uso, comercial ou particular, o processo faz parte da legalização do seu bem, tornando-o apto a circular por todas as vias.

Para tanto, é necessário seguir uma série de procedimentos legais e burocráticos, a fim de obter o emplacamento dos veículos. Você, que lida com frotas em uma rotina diária, deve saber bem o quanto esse tipo de atividade consome o tempo produtivo da sua equipe, não é mesmo?

Ver também: Guia para fazer uma gestão de frota eficiente

Por isso, de maneira que você possa ter mais harmonia e facilidades para tirar o primeiro emplacamento dos veículos, nós preparamos este post. Continue com esta leitura e descubra como agregar mais agilidade com as nossas dicas e uma surpresa de grande relevância para o seu negócio!

Como funciona o emplacamento de carros?

O emplacamento de veículos é realizado pelo DETRAN de cada Estado do país. Eles mesmos, inclusive, emitem as placas veiculares, cuja numeração tem a mesma sequência em todo o território nacional sendo: 3 letras seguidas de 4 números.

E por que isso se torna uma responsabilidade de quem adquire o automóvel? Primeiramente, porque a circulação é terminantemente proibida sem essa sinalização — passível de multa e pontos acumulados na habilitação.

emplacamento dos veículosEntretanto, o primeiro emplacamento dos veículos permite aos condutores um prazo de 15 dias para realizar o processo. Ou seja: ele não sai com a placa da concessionária.

Só que isso não significa que o veículo está livre de qualquer tipo de monitoramento. Ao longo desse período de 15 dias, o condutor deve transitar pelas vias em posse da nota fiscal do bem. Assim, evita-se qualquer tipo de atrito com as autoridades e órgãos competentes.

O que mais diz a legislação a respeito do emplacamento?

Existem algumas condições que devem ser analisadas — antes de sequer cogitar a hipótese de transitar com a sua frota sem o devido emplacamento dos veículos.

Isso porque existem muitas considerações, no Código de Trânsito Brasileiro (CTB), e que devem ser do seu conhecimento, como:

  • Art. 22: compete aos órgãos ou entidades executivos de trânsito dos Estados e do Distrito Federal, no âmbito de sua circunscrição: (…) III – vistoriar, inspecionar quanto às condições de segurança veicular, registrar, emplacar, selar a placa, e licenciar veículos, expedindo o Certificado de Registro e o Licenciamento Anual, mediante delegação do órgão federal competente;
  • Art. 4º: antes do registro e licenciamento, o veículo novo, nacional ou importado que portar a nota fiscal de compra e venda ou documento alfandegário poderá transitar: I – do pátio da fábrica, da indústria encarroçadora ou concessionária e do Posto Alfandegário, ao órgão de trânsito do município de destino, nos quinze dias consecutivos à data do carimbo de saída do veículo, constante da nota fiscal ou documento alfandegário correspondente; II- do pátio da fábrica, da indústria encarroçadora ou concessionária, ao local onde vai ser embarcado como carga, por qualquer meio de transporte; III- do local de descarga às concessionárias ou indústrias encarroçadora; e IV- de um a outro estabelecimento da mesma montadora, encarroçadora ou concessionária ou pessoa jurídica interligada.
  • § 1º No caso de veículo novo comprado diretamente pelo comprador por meio eletrônico, o prazo de que trata o inciso I será contado a partir da data de efetiva entrega do veículo ao proprietário;
  • Art. 230, V: que não esteja registrado e devidamente licenciado; VI – com qualquer uma das placas de identificação sem condições de legibilidade e visibilidade: Infração – gravíssima; Penalidade – multa e apreensão do veículo; Medida administrativa – remoção do veículo.

Vale destacar que, além dos trâmites e dores de cabeça decorrentes disso, o valor da multa, quando a infração é considerada gravíssima, gira em torno de R$ 293, 47.

Como realizar o primeiro emplacamento dos veículos?

Como havíamos antecipado, o processo é feito pelo DETAN do seu Estado. E, inicialmente, são solicitados os seguintes documentos para efetivar a sua realização:

  • CPF, RG e CNH do proprietário;
  • comprovante de residência (que esteja no nome do proprietário);
  • a nota fiscal do veículo;
  • decalque do número do chassi;
  • contrato de financiamento (somente quando o bem foi financiado — original e cópia do documento).

Por se tratar de automóveis para fins comerciais, como uma frota, é importante conferir se o DETRAN da sua região solicita outros documentos além dos acima mencionados.

Quais taxas são cobradas?

A primeira taxa decorrente do emplacamento dos veículos é aquela decorrente do serviço de lacração da placa.

Podem existir, também, custos adicionais se o DETRAN da sua região também disponibiliza serviços de personalização, como placas exclusivas.

O cálculo do IPVA e do DPVAT também deve ser solicitado, bem como o formulário de registro do veículo — presente no Renavam. Com as taxas quitadas, é hora de dar início ao processo de emplacamento dos veículos.

Para isso, o próprio órgão sinaliza aonde o automóvel deve ser direcionado para que o procedimento seja realizado.

Como ter mais agilidade no emplacamento dos veículos?

No início do artigo, nós deixamos em suspense para o final do artigo. E é justamente um diferencial e tanto que a Tfleet tem a oferecer para gerar mais agilidade no emplacamento dos veículos.

Tudo tem início com a excelente relação que a nossa empresa tem com as montadoras do país. Assim, temos a possibilidade de fornecer para os nossos clientes o PDI – preparação e registro dos veículos dentro da fábrica.

Assim, por meio de um acordo com essas empresas, nós já recebemos o kit de emplacamento dos veículos previamente. O que nos possibilita o registro dos automóveis ainda dentro da fábrica.

E, como havíamos apresentado, esse processo é impossibilitado, normalmente, porque os veículos saem das fábricas e ainda passam pelas concessionárias ou locais onde o DETRAN sinaliza para que seja feito o procedimento.

Com o PDI, a Tfleet garante para você mais economia e agilidade no processo. Primeiro, porque você não arca com os custos de transporte — já que essa primeira transição fica sob responsabilidade da própria montadora — e o veículo é entregue para você rapidamente.

Quer saber quais outras conveniências podemos agregar para o seu negócio? Então, curta a nossa página do Facebook e fique por dentro, em primeira mão, de todas as nossas dicas e novidades!

Conheça a TFleet, empresa com 26 anos de atuação, especializada em soluções personalizadas para gestão de frotas.